Não Editora

Catálogo

Areia nos dentes

Antônio Xerxenesky

  • Páginas: 144
  • ISBN: 9788561249045
  • Preço: R$ 25,00

Em seu apartamento na Cidade do México, um velho, entre uma dose e outra de tequila, escreve a história de seus antepassados. É uma trama de rivalidade entre duas famílias, os Ramírez e os Marlowes, em um remoto povoado do Velho Oeste. Um assassinato e a vinda de um ortodoxo xerife compõem uma história que rompe os limites da própria literatura morte.

Depoimentos

Areia nos dentes começa deixando claro tratar-se de um faroeste. Em poucas páginas, Antônio Xerxenesky desenha o escaldante vilarejo de Mavrak; e, no centro do palco, duas famílias rivais, os Ramírez e os Marlowes, às voltas com um assassinato, desejos de vingança e um segredo guardado num porão. Mas há sinais de que há muito mais por vir do que os elementos clássicos do bangue-bangue. Um deles é a frase que abre o livro: "E os mortos voltarão à vida!".

Aos poucos – ou nem tanto, pois o texto vai a galope, enfileirando guinadas –, a trama vai ganhando camadas que convidam o leitor a um jogo típico da literatura pós-modernista. Em meio às sobreposições metanarrativas e referências a gêneros, em tempo virá a descoberta mais importante: a de que há um mesmo drama humano unindo esses narradores e seus personagens. Na camada mais profunda, essa é uma história de pais e filhos.

Daniel Galera

Antônio Xerxenesky, logo em seu primeiro romance, demonstra não só preferência pelo gênero como seu provável domínio, tendo a chance de se firmar como um ótimo romancista com o tempo sempre a favor. Por mais que os fãs (como eu) dos filmes de Sergio Leone, por exemplo, estejam familiarizados com algumas situações e estruturas de diálogos, o autor conduz, com autenticidade, o leitor ao meu inevitável clichê da montanha-russa de sentimentos: numa página, altíssimas gargalhadas; na seguinte, a torcida pelo casal; mais à frente, uma vontade descomunal de duelar com o primeiro que avistar. Ou então de saber para onde o vento leva a areia.

Os pontos negativos de Areia nos dentes são alguns detalhes que poderiam ser melhorados na narrativa, muitos deles apenas preferências minhas. Mas não tiram, de forma alguma, a qualidade, na minha opinião, indiscutível que o romance possui. Posso até dizer que é um livro exemplar para quem está começando. É o exemplo que eu seguiria se quisesse ser escritora: saber o lugar exato das palavras, quando ascender e deslocar um personagem e dar o equilíbrio que estes e outros aspectos exigem a cada capítulo.

Renata Miloni, Le Monde Diplomatique

Autor

Antônio Xerxenesky é um porto-alegrense nascido no fim de 1984. Publicou o livro de contos Entre (Fumproarte/Ed. Movimento) e outras narrativas curtas em antologias e revistas. Seu conto O desvio (que integra a antologia Ficção de polpa, vol. 1) foi adaptado para a tevê por Fernando Mantelli em 2007. Areia nos dentes é seu primeiro romance.

Clipping

  • No bookmarks avaliable.
clipping completo no Delicious
RSS

© Não Editora - Todos os direitos reservados